Criptomoedas, um mercado em Stand By

2018-07-09T18:39:34+00:00 9 julho 2018 - 6:39 pm |Categorias: Blockchain|0 Comentários

O ano de 2017 foi realmente intenso para o mercado global de criptomoedas. Não apenas o Bitcoin se consolidou como um ativo digital (afinal, está listado em grandes e importantes bolsas de mercados futuros como CBOE e CME) como também aumentou e muito seu valor de mercado.

Fazendo uma breve retrospectiva, tivemos “movimento global” de pessoas investindo desde algumas centenas de reais/dólares/euros e etc para obter algumas frações de Bitcoins até relatos de quem vendeu bens materiais como veículos para obter uma unidade do então famoso criptoativo.

Até o William Bonner falava sobre isso no JN!

Algumas Altcoins (criptomoedas alternativas ao Bitcoin como por exemplo o Ethereum) embarcaram na enorme onda de alta e também tiveram forte valorização em seu valor de mercado.

Diante disso, começaram a surgir os entusiastas apoiadores de uma economia descentralizada e não governada por burocratas estatais que apostavam e ainda apostam todas as fichas em uma maior valorização das criptomoedas e por outro lado, nomes fortes de Wall Street tal como o CEO do J.P. Morgan Jamie Dimon, afirmavam que:

– “O Bitcoin é uma fraude”.

Isso enquanto sua filha armazenava em sua carteira digital 2 unidades de Bitcoin!
Além da afirmação de fraude e esquema de pirâmide ainda houverem milhares de blogs, mídia mainstream e sites de investimentos “tradicionais” decretando semanalmente o estouro da bolha ou a morte do Bitcoin cada vez que o ativo tinha suas repentinas quedas de 20% ou mesmo 30% no mesmo dia. Como se isso já não ocorresse nesse mercado desde que começou a ganhar preço de fato. Dias depois recuperava a margem perdida e continuava subindo até 15% no mesmo dia. Loucura, especulação e um paraíso para traders.

Mais alguns meses se passaram e o conceito sobre Blockchain passou a ser largamente e em muitos casos demasiadamente utilizado, com efeitos positivos e negativos.
Por um lado, muitas pessoas e instituições que realmente buscaram entender os detalhes sobre o conceito tecnológico ligado ao Bitcoin, entenderam o motivo pela qual o Bitcoin é realmente disruptivo e incrível, porém…

Hoje, aplicações que fazem uso de criptografia assimétrica e algum tipo de consenso entre partes conhecidas correm o risco de serem chamadas de Blockchain. Difícil saber se é proposital para embarcar no hype da palavra ou
se é pura ignorância acerca do que é o conceito de Blockchain.
Obviamente que o uso de conceitos relacionados ao que envolve o Blockchain, não precisa ser desencorajado ou atacado.
Cada instituição sabe o que é melhor pra si, ruim é tentar ligar aplicações totalmente centralizadas e controladas ao conceito do experimento descentralizado em escala global mais incrível da história humana.
Um experimento que até o momento, está em pleno funcionamento.

Pois bem, do fim de 2017 até agora (julho/2018), muita coisa aconteceu. Num estranho paradoxo, Jamie Dimon, o mesmo CEO do J.P. Morgan retirou sua afirmação sobre o Bitcoin, não acreditava mais que fosse uma fraude e ainda assim o preço da unidade também teve fortes quedas ao longo dos primeiros meses deste ano.

A grande parte da mídia mainstream, tal como o Will Bonner, não fala mais sobre o preço do Bitcoin de maneira rotineira, muitas pessoas físicas mais perderam do que ganharam (afinal, entraram comprando na máxima histórica do ativo) e acompanharam o mesmo despencar em valor de mercado, e muitos que antes liam todos os dias sobre isso agora sequer acompanham os preços… Muitos dos quais desiludidos. Compreensível em muitos casos.

Mas agora que os holofotes não estão sobre esse mercado, o que tem acontecido nesse universo ???
Será que tudo parou e o que se presenciou foi apenas um modismo a nível global ???

Presumo que não.

Corretoras ou Exchanges continuam recebendo milhares de cadastros de novos usuários por mês, algumas corretoras estão investindo pesado em segurança para gradativamente eliminar a imagem ruim de serem uma casa de câmbio de fundo de quintal (que para algumas é uma imagem justa pois não passam disso), quer gostem quer não, regulamentações estão sendo criadas em vários países (ainda que na essência e por definição o Bitcoin é resistente a essa obsessiva vontade estatal de controle social), desenvolvedores estão empenhados em melhorar alguns projetos e desenvolver outros e voltando as corretoras, algumas como a Coinbase estão investindo pesado em uma plataforma para um tipo bem específico de investidores.

Investidores Institucionais

Resumidamente, se tratam de fundos de investimentos, fundos de pensões, grandes bancos e grande parte do pessoal de Wall Street e de outros centros financeiros mundo afora.
Sendo ainda mais específico, estamos tratando de uma possível entrada dos BILIONÁRIOS no mercado de criptomoedas.
Muitos dos quais já mostraram vontade de entrar nisso fazendo de Bitcoins e outras criptomoedas uma parte de seu portfólio de investimentos, não o fazem ainda porque as regulamentações estatais não lhes parecem suficientes no momento e também porque o mercado de fato carece de uma ferramenta segura para tais operações.
Se a Coinbase mostrar que sua plataforma é viável ou mesmo outras grandes como a Binance convencerem tais investidores, em breve (alguns meses talvez) poderemos notara gradativamente sites, blogs e mídia em geral fazendo seu tradicional sensacionalismo sobre o assunto, visto que o preço tende a aumentar consideravelmente.

Atualmente, tudo que se percebe, é um mercado relativamente parado (mas ainda com a costumeira volatilidade), na verdade ultimamente com algumas quedas bem tensas, no entanto, ao analisar o histórico geral deste ativo é inegável que o mesmo a longo prazo ainda parece ser o de maior retorno e que se analisarmos seu aspecto essencialmente disruptivo, entendo seu real potencial não apenas tecnológico mas também econômico, um mercado a espera de algo bem maior.

Texto escrito por:
Vinícius Pereira de Oliveira

LinkedIn: https://goo.gl/kBzbFy

Deixe um Comentário